O que é Tarô

O Tarô é um Oráculo, assim como as Runas e a Geomancia. Os Oráculos são seres ou pessoas muito sábias que detém grande conhecimento e por isto podem nos orientar através de previsões do futuro e aprimorando nosso auto conhecimento. Todo Oráculo age diretamente com a nossa essência, desperta e mexe com uma parte do nosso ser que está adormecida. A arte oracular é muito antiga; os primeiros Oraculistas jogavam galhos, pedras e folhas ao chão, interpretavam os símbolos e desenhos que se formavam, e a partir daí faziam suas leituras.

Há várias especulações a respeito de onde e como surgiu o Tarô; pelos ciganos, na Grécia, no Egito, pelos Hebreus, e a lista só aumenta! O surgimento do Tarô é tão misterioso quanto as próprias cartas deste oráculo, o importante neste momento é o que ele representa atualmente e como está sendo utilizado.

O Tarô é composto de 78 cartas, as quais chamamos de Arcanos pois cada carta é repleta de segredos e mistérios; sendo 22 Arcanos maiores ou principais, e 56 Arcanos menores ou auxiliares. Existem várias formas e métodos de consultar o oráculo através do Tarô, eu sigo o método Europeu que consiste em pares de cartas – um arcano maior seguido por um menor – para cada casa do jogo.

Entre os oráculos, temos os do Ser e os do Estar.

Os oráculos do Ser incluem Astrologia, Quiromancia, Numerologia, entre outros; eles falam a respeito das tendências da vida de um modo geral e amplo, falam sobre a personalidade e missão de vida, mas não mostram como a pessoa ficará diante dos acontecimentos, sendo ótimos para questões mais abstratas e referentes a quem você é.

Os oráculos do Estar incluem Runas, I-Ching, Tarô, entre outros; falam a respeito da condição humana no momento atual, abordam diretamente o que está afetando a pessoa a ser consultada, sendo ótimos para questões mais objetivas e referentes a quem você está.

Por fazer parte dos oráculos do Estar, o Tarô é ótimo para trabalhar no agora. Responder questões diretas e pessoais de forma aprofundada e organizada, dar conselhos e orientações, mostrar as previsões dos caminhos a serem escolhidos e alertar sobre acontecimentos que afetarão diretamente o consulente.

 

Curiosidades!

No final do século XIV, os primeiros registros históricos sobre o Tarô mostram que ele se chamava “ludus cartarum”, depois passou a ser chamado de Naibis, e entre 1450 e 1590 ficou conhecido como Tarocco ou Tarochino. A palavra Tarô surgiu em 1592, através da fundação de uma associação de artesão franceses.

Os primeiros decks de Tarô não continham nomes, numerações ou o quantitativo como é feito hoje em dia, tudo era expresso de forma simbólica assim como no tarô de Visconti-Sforza feito no Milão, Itália, em 1440.

Há certa semelhança entre o baralho comum e os arcanos menores do Tarô, pelos naipes e cartas da Corte (Valete, Cavaleiro, Rainha e Rei), e muitos acreditam que a carta do Coringa é uma variação da carta do Louco; entretanto o Coringa (Joker) foi criado em Nova York, em 1840, para complementar alguns jogos lúdicos que nada tinham a ver com a arte oracular.